Casos de câncer devem aumentar 50% nos próximos 20 anos, diz OMS

O número de casos de câncer em todo o mundo deve duplicar nos próximos 20 anos. Essa é a expectativa apontada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O Relatório Mundial do Câncer 2014 estima que o número de novos casos pule de 14 milhões em 2012 para 22 milhões em 2030. O trabalho foi feito com a ajuda de 250 especialistas de 40 países, e divulgados pela Agência Internacional de Pesquisa do Câncer, parte da OMS.

Devido ao crescimento e envelhecimento da população, os países em desenvolvimento são desproporcionalmente afetados pelo número crescente de cânceres. Mais de 60% da carga global da doença está na África, Ásia, América Central e do Sul, onde 70% das mortes por câncer ocorrem, e onde a falta de detecção e tratamento precoce é um problema crescente.

Metade de todos os cânceres poderia ser evitada, segundo a publicação, se as medidas de prevenção já conhecidas fossem usadas de forma mais eficaz. As principais causas de tumores no mundo são infecções virais, como o papilomavírus (HPV), hepatite C ou Epstein Barr, e hábitos de vida ocidentais, como o uso do tabaco e a obesidade.

O câncer é uma das principais causas de morte no mundo – em 2012, a OMS estima 8,2 milhões de mortes pela doença, com câncer de pulmão em primeiro lugar (1.590.000), seguido por fígado (745.000 mortes), estômago (723 mil mortes), colorectal (694.000 mortes), mama (521.000 mortes) e câncer de esôfago (400 000 mortes).

Nos homens, os tumores mais comuns permanecem sendo os de pulmão (16,7%), próstata (15%), colorretal (10%), estômago (8,5%) e fígado (7,5 %). Entre as mulheres, a lista é encabeçada pelos tumores de mama (que representam um em cada quatro), cólon (9%), pulmão (8,7%), colo do útero (8%) e estômago (4,8 %). Os homens são mais atingidos do que as mulheres ao registrar 53% dos casos e 57% das mortes.

Tratamento
O acesso ao tratamento eficaz contra o câncer é acessível, inclusive para cânceres infantis, mesmo onde os cuidados de saúde não são tão avançados, dizem os autores do relatório. No entanto, os “custos” de lidar com o câncer estão prejudicando as economias até mesmo das nações mais ricas, uma vez que o preço dos tratamentos está muito além do que comportam os bolsos da população. Em 2010, o custo global anual total de câncer chegou a um número estimado de 1,16 trilhão de doláres.

O relatório admite que o desenvolvimento da doença ainda varia conforme o país. Em locais mais pobres, onde há um risco maior de diagnóstico tardio e menos acesso a cuidados paliativos, a taxa de mortalidade é maior. Mas mesmo em países desenvolvidos, alertam os especialistas, há grandes desigualdades entre diferentes comunidades.

Os principais fatores de risco para o câncer em todo o mundo são o uso de tabaco e álcool, alimentação inadequada e falta de atividade física, diz o relatório, enquanto as infecções crônicas por vírus como o da hepatite B, hepatite C e alguns tipos de HPV estão elevando o risco da doença em países de renda baixa e média.

O uso do tabaco tem o maior impacto. É responsável por 22% das mortes por câncer no geral e mais de 70 % das mortes globais de câncer de pulmão. Em muitos países pobres, a infecção pelo vírus da hepatite B e HPV conta por até um quinto das mortes por câncer.

MSN

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *