Funcionários dos Correios decidem manter a greve

correios-greve.jpg

Funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) continuam paralisados por tempo indeterminado. A decisão foi tomada nesta quarta-feira, 5, em assembleia realizada pela categoria na sede da empresa, na Pituba. A ECT ajuizou ação cautelar junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) para suspender a paralisação. Mas, segundo Simone Soares Lopes, presidente do Sindicato dos Correios e Telégrafos da Bahia (Sincotelba), o pedido foi negado. Ela ainda diz que 60% dos trabalhadores da área operacional aderiram ao movimento e que hoje a categoria fará caminhada da praça da Inglaterra, no Comércio, até a praça Castro Alves. “Estamos vivendo muitas incertezas em relação a cobranças e atendimento médico.

Algumas clínicas não querem atender ao nosso plano. Pior é que a empresa sequer conversou com a gente para decidir nada, apenas decidiram por eles, descumprindo acordo que fizeram com o TST”, conta Lopes. Por outro lado, a ECT afirma que a reivindicação dos funcionários não procede, pois não houve alterações no plano de saúde. A direção dos Correios alega que a paralisação não causou prejuízo ao consumidor, já que 84,79% dos funcionários estão trabalhando. No entanto, a entrega de encomendas com hora marcada está suspensa em algumas localidades.

Por se tratar de estado de greve, o consumidor não pode cobrar dos Correios eventuais atrasos na entrega de correspondências ou encomendas, observa o advogado Cândido Sá, especialista em direitos do consumidor. Dessa forma, quem não receber boletos de cobrança deve procurar outros meios para efetuar o pagamento. “Nesses casos, é melhor acessar os sites das empresas e imprimir os boletos. Nada há a ser feito para obrigar a chegada da encomenda ou boletos no prazo, em virtude da greve ser um estado de exceção”, explica o advogado.(A Tarde)

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *