Médica explica a importância da vacinação contra o HPV

hpv2.jpg

A disponibilização gratuita da vacina começou dia 10 de março nos postos de saúde e em escolas públicas e privadas de todo Brasil. Neste ano, ela atenderá meninas de 11 a 13 anos e a partir de 2015 a faixa etária diminuirá para 9 a 11 anos. A vacina distribuída será quadrivalente, protegendo contra os 4 tipos mais comuns da doença: 6 e 11, responsável por 90% dos casos de verrugas genitais; 16 e 18, por 70% dos casos de câncer do colo de útero.

A idade proposta gerou uma polêmica entre pais que veem a vacinação como um incentivo à precocidade da vida sexual. A especialista Dra. Adriana Campaner, ginecologista da Santa Casa de São Paulo, explica que o objetivo do medicamento é prevenir jovens e crianças contra o HPV. “Essa vacina é apenas uma forma de evitar que as doenças causadas pelo vírus, como o câncer do colo de útero, atinjam as mulheres futuramente. Em nenhum momento ela serve de indutor para a precocidade nas relações sexuais”.

O Papiloma Vírus Humano (HPV) é uma doença sexualmente transmissível. O vírus contém características assintomáticas e pode ficar encubado por um longo período, impedindo a manifestação e identificação da doença. A melhor forma de detecta-lo é procurar por lesões resultantes do HPV, o câncer do colo de útero, no caso das mulheres, e verrugas que atingem ambos os sexos.

Alguns exames como o papanicolau ajudam a confirmar a presença do câncer do colo de útero. Com acompanhamento correto é possível prevenir quase 100% dos casos deste câncer. Ele deve ser feito anualmente em mulheres que já iniciaram a vida sexual.

Mesmo quem ainda não teve HPV, corre o risco de contrair a doença em algum momento da vida. Segundo a OMS, este número pode chegar a 69 milhões de brasileiras. Com a vacina é possível impedir este contágio, que pode ocorrer pela relação sexual ou por mucosa infectada. Deve ser lembrado, no entanto, que a vacina não previne contra todos os tipos de HPV, mas protege contra os 4 tipos virais mais frequentes.

A prevenção em jovens e crianças do sexo feminino atingirá diretamente a população masculina, com a diminuição da circulação do vírus entre homens e mulheres. Este ano, serão distribuídas 15 milhões de doses nos 36 mil postos de saúde do país.

Fonte: Tribuna Hoje

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *