Personagem Fofão completa 30 anos

Ele é um cachorro, um urso ou um palhaço? O personagem infantil Fofão, criado há 30 anos, é um pouquinho de tudo.

“O Fofão tem as bochechas caídas de um são bernardo, o nariz enrugado de porco, o cabelo e as mãos peludas de urso, e o macacão largo que lembra um palhaço. E mistura tudo e dá um E.T.”, conta o ator Orival Pessini, de 68 anos, criador do personagem.

A inspiração para criar o Fofão veio do filme “E.T. – O Extraterrestre”, sucesso no comecinho da década de 1980. “O Boni [José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, diretor geral da Rede Globo] me pediu para criar um personagem para o programa infantil ‘Balão Mágico’ e eu não tinha a menor ideia porque só fazia personagens adultos. E me lembrei do filme ‘E.T.’, que é um bicho feio, a cabeça parece um pé ao contrário, mas que na época era um sucesso e as crianças adoravam.”

Depois de fazer a máscara, Pessini fez um teste com Simony, apresentadora do programa. “Eu falei para ela ficar de costas e virar quando eu chamasse. Quando ela me viu, fez uma carinha de espantada, deu um sorriso, pulou no meu pescoço e disse ‘Ai, que fofinho'”.

ESTREIA NA TV

O personagem estreou no programa de 17 de março de 1983, ao lado de Simony e Cascatinha (interpretado pelo ator Castrinho). Aos poucos, o “Balão Mágico” ganhou outros integrantes, como os garotos Tob, Mike e Jairzinho.

Uma das marcas de Fofão era trocar as sílabas das palavras. “Nabana” queria dizer banana. “Apatralhado”, atrapalhado. “Turabão” era, na verdade, tubarão. “A criança se identifica porque também troca as sílabas. Depois, eu falo certinho e ela aprende”, conta.

Com o sucesso na telinha, a turma gravou cinco discos e emplacou hits como “Superfantástico”, “Amigos do Peito” e “Ursinho Pimpão”. Artistas como Roberto Carlos, Djavan e Fábio Jr. fizeram participações especiais nas canções.

SHOWS

A turma fez shows por todo o Brasil, atraindo milhares de crianças. “Estava chovendo em um show que fizemos em um estádio. E o microfone dava choque na minha mão. A criançada morria de rir porque achava que fazia parte do espetáculo. Para segurar o microfone, tive colocar um saco plástico.”

Com o fim do programa na Rede Globo, o personagem ganhou um programa próprio, o “TV Fofão”, na Rede Bandeirantes, que durou de 1987 a 1989. Na esteira do sucesso do programa, Fofão lançou discos, revistas em quadrinhos, álbum de figurinhas, além de produtos como bombons e xampus. O boneco Fofão virou febre e vendeu mais de 4 milhões de unidades.

Fofão deixou os programas de televisão, mas até hoje faz shows que atraem fãs mais velhos, na faixa dos 20 a 40 anos.

Ele acredita que falta qualidade aos programas infantis da televisão aberta. “Não tinha nenhum efeito especial no ‘Balão Mágico’. Só a criatividade. Colocávamos duas cadeiras com lençol e brincávamos que era uma caverna. Dizem que a criança mudou. Hoje ela tem mais acesso à tecnologia, como computadores e tablets, mas se você fizer uma mágica com uma moeda, ela fica maravilhada”, diz.

Uol

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.